Projetos financiados em 2017

Esses projetos estão sendo apoiados como parte da primeira chamada LIRA 2030 África sobre o Avanço da implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11 nas cidades da África.

Caso tenha interesse em entrar em contato com algum dos projetos, envie um e-mail katsia.paulavets@council.science.

Co-projetando comunidades de energia com mulheres pobres em energia em áreas urbanas: estudos de caso no Quênia, Uganda e África do Sul

O crescimento acelerado dos assentamentos informais urbanos na África Subsaariana ultrapassou o fornecimento de energia doméstica, um recurso essencial para cozinhar, iluminar e aquecer. Como resultado, as famílias recorrem a fontes de energia ineficientes, como madeira, carvão e querosene, o que causa poluição do ar interno e piora seus resultados de saúde. Há pouco conhecimento sobre as interconexões entre a energia doméstica e seus resultados de saúde relacionados em assentamentos informais na África, bem como as implicações da natureza de gênero da pobreza energética doméstica.

O projeto conduzirá estudos em dois assentamentos informais urbanos no Quênia e em Uganda e comparará os resultados com pesquisas em andamento em um assentamento informal urbano na África do Sul. O projeto depende amplamente do envolvimento das partes interessadas (com moradores de assentamentos, especialistas e atores políticos) e pesquisa experimental para propor tecnologias e políticas melhores que contribuam ainda mais para as metas nacionais de energia nos três países. Em última análise, o projeto busca coproduzir conhecimento sobre os serviços de energia doméstica que atendam ao gênero, tenham melhores resultados de saúde e sejam economicamente viáveis.

Investigador principal: Lorraine Amollo Ambole, Universidade de Nairobi, Quênia

Países envolvidos no projeto: Quênia, Uganda, África do Sul.

Sistema de tratamento de água descentralizado apoiado por biogás para comunidades nos distritos de Diepsloot (África do Sul) e Chambishi (Zâmbia): Um estudo de viabilidade

Água potável e serviços de saneamento adequados são vitais para a saúde humana. Como resultado da explosão urbana da África, a demanda por água nas cidades africanas está aumentando a uma taxa maior do que o crescimento populacional. Sua disponibilidade, por outro lado, está diminuindo e é exacerbada por demandas concorrentes de atividades econômicas, declínio na qualidade da água e efeitos das mudanças climáticas. O fornecimento inadequado de água potável está resultando em doenças transmitidas pela água e perda de atividade econômica.

Este projeto visa enfrentar o desafio dos serviços básicos de abastecimento de água nos municípios. Para isso, propõe um estudo de viabilidade do uso de energia renovável gerada a partir de águas residuais municipais (esgoto) como eletricidade para alimentar estações de tratamento de água de pequena escala para o abastecimento de água às comunidades do município. Os locais de pesquisa escolhidos para este estudo são os distritos de Diesploot (África do Sul) e Chambishsi (Zâmbia). O sistema proposto usará rios locais como fonte de água; a água que será tratada com o biogás como fonte de energia. Prevê-se que o sistema será sustentável e ajudará os municípios a serem independentes dos sistemas de abastecimento de água em massa. Isso deve permitir que as comunidades municipais tenham um acesso consistente à água potável, o que leva a uma melhoria da saúde da comunidade.

Investigador principal: Keneiloe Sikhwivhilu, MINTEK, África do Sul

Países envolvidos no projeto: África do Sul, Zâmbia.

Efeitos na saúde da poluição do ar interno causada por fogões de cozinha nas cidades de Kigali e Dar er Salaam: uma avaliação e solução

Quase 40% da população mundial depende da biomassa como fonte primária de energia doméstica. Nos países em desenvolvimento, os fogões a carvão são o principal equipamento para cozinhar. O uso de fogões tradicionais em residências com pouca ventilação geralmente causa problemas de saúde e contribui para o desmatamento. Apesar disso, não há um estudo conclusivo sobre os efeitos do uso de fogões tradicionais na saúde e no meio ambiente.

Este projeto visa preencher a lacuna na literatura sobre os efeitos na saúde de mulheres e crianças causados ​​por fogões de cozinha na África Oriental. O projeto se concentrará em famílias selecionadas nas capitais de dois países africanos, Kigali em Ruanda e Dar es Salaam na Tanzânia. O projeto irá avaliar fogões de cozinha existentes no mercado e trabalhar com comunidades selecionadas para reconstruir modelos mais eficientes usando materiais locais e, em seguida, adicionar funcionalidades de segurança, como uma chaminé para reduzir a poluição do ar interior. Além disso, o estudo analisará a eficácia dos novos modelos, verificando a exposição à poluição do ar interno antes e depois da instalação dos fogões melhorados.

Investigador principal: Telesphore Kabera, Universidade de Ruanda

Países envolvidos no projeto: Ruanda, Tanzânia.

Avaliação e caracterização dos perigos vulcânicos e de inundação e suas implicações para a saúde nas cidades de Goma (República Democrática do Congo), Buea e Limbe (Camarões)

Buea, Limbe e Goma, como a maioria das cidades africanas, estão experimentando um rápido crescimento econômico e populacional. Ao contrário da maioria das cidades africanas, essas três cidades estão localizadas em torno de centros vulcânicos ativos. Buea e Limbe encontram-se nos flancos do Monte Camarões e Goma está situada nos flancos do Monte Nyiragongo. O Monte Camarões é o vulcão mais ativo ao longo da Linha Vulcânica dos Camarões e suas erupções mais recentes foram em 1999 e 2000. O Monte Nyiragongo é o segundo vulcão mais ativo no Sistema de Rift da África Oriental e sua erupção recente foi em 2002. Ele hospeda um grande semi - lago de lava permanente que pode entrar em erupção a qualquer momento.

Apesar dessas ameaças, o aumento da urbanização nessas cidades levou à construção de prédios altos, muitas vezes sem códigos de construção. Este fenômeno é muito preocupante, pois terremotos induzidos por vulcões da mesma intensidade que os observados no passado ainda são muito prováveis ​​nessas cidades. Este projeto visa avaliar e avaliar a extensão e a natureza dos riscos de desastres nessas cidades, bem como as implicações para a saúde desses perigos para as populações cada vez mais vulneráveis, na tentativa de reduzir os riscos associados.

Investigador principal: Mabel Nechia Wantim, Universidade de Buea, Camarões

Países envolvidos no projeto: Camarões, República Democrática do Congo (RDC).

Para reduzir a exposição humana a poluentes derivados da combustão nas comunidades urbanas de Kampala e Mwanza

A bacia hidrográfica do Lago Vitória é um ecossistema crítico para a região da África Oriental, sustentando mais de 30 milhões de pessoas para quem o lago é uma fonte de alimento, energia, água potável e água de irrigação, entre outros. A bacia hidrográfica possui centros urbanos ao longo da costa do lago em Uganda, Quênia e Tanzânia. A rápida urbanização, industrialização e crescimento populacional nesta bacia hidrográfica aumentaram a demanda por energia para aplicações domésticas e industriais. Como resultado, as emissões da combustão de petróleo e biomassa para energia aumentaram drasticamente, levando à poluição do ar e riscos à saúde.

Este projeto irá empregar abordagens de engajamento de múltiplas partes interessadas para entender e melhorar a qualidade do ar interno em domicílios dentro de comunidades urbanas selecionadas em Kampala (Uganda) e Mwanza (Tanzânia). A redução da poluição do ar interno nas residências participantes, após o uso de tecnologias aprimoradas de cozinha e iluminação, será medida. Todas as tecnologias serão monitoradas para uso por meio de registradores de dados especializados. Um projeto de chaminé portátil será desenvolvido e testado para investigar uma possível redução adicional na poluição interna. Entrevistas com informantes-chave, discussões de grupos focais, reuniões comunitárias e visitas domiciliares dos participantes permitirão uma compreensão profunda do papel das atitudes, percepções, crenças, normas e conhecimentos da comunidade em causar e resolver o problema de poluição do ar interno e implementar intervenções plausíveis identificadas em conjunto.

Investigador principal: Kenneth Arinaitwe, Universidade Makerere.

Países envolvidos no projeto: Uganda, Tanzânia

Reduzindo os riscos de doenças transmitidas pela água relacionadas a enchentes em Abidjan e Kampala

As mudanças climáticas estão contribuindo para o aumento da frequência e magnitude das inundações observadas nos últimos anos. A situação é particularmente crítica para as áreas urbanas da África Subsaariana, onde as inundações são frequentemente associadas a doenças transmitidas pela água. A combinação de desastres naturais, infraestrutura urbana deficiente e população em expansão descontrolada representa uma grande ameaça à subsistência e à saúde humana.

A pesquisa proposta visa identificar medidas mitigadoras relacionadas à transmissão de duas doenças infecciosas (ou seja, cólera e leptospirose) relevantes para eventos de inundação em Abidjan e Kampala. A cólera é uma doença diarreica provocada por falta de higiene e saneamento. É o principal risco para a saúde associado a inundações na maioria das cidades africanas. A transmissão da leptospirose ocorre através da urina e fezes de animais infectados e aumenta com a extensão das chuvas. A incidência humana de leptospirose aumenta durante eventos climáticos extremos, como inundações.

Para compensar a atual falta de dados relevantes nos dois ambientes escolhidos, o projeto irá implementar uma estratégia baseada na integração da saúde humana, animal e ambiental usando os conceitos de EcoSaúde, One Health and Sanitation Safety Planning. Nosso objetivo é gerar conhecimento para recomendar políticas adequadas para a prevenção e antecipação de surtos de cólera e leptospirose durante eventos de inundação.

Investigador principal: Parfait Koffi Kouamé, Centre Suisse de Recherches Scientifiques na Costa do Marfim

Países envolvidos no projeto: Costa do Marfim, Uganda.

Entrega de estratégias de ar limpo para mitigar a poluição do ar doméstico e doenças respiratórias associadas em assentamentos informais urbanos nas cidades de Dar es Salaam e Lilongwe

Este projeto visa aumentar a conscientização sobre os níveis de poluição interna e a magnitude das doenças respiratórias. Essa conscientização ajudará a informar o governo e a comunidade local para a adoção de estratégias relevantes para soluções de energia limpa. O projeto será realizado em conjunto com pesquisadores, governos e comunidades locais em Vingunguti e Mtsiriza - as duas favelas localizadas nas cidades de Dar es Salaam e Lilongwe, respectivamente.

Investigador principal: Ng'weina Francis, Universidade de Dar es Salaam, Tanzânia

Países envolvidos no projeto: Tanzânia, Malawi.

Rumo a comunidades saudáveis: Ciência cidadã para melhorar a qualidade do ar em Nairóbi (Quênia) e Adis Abeba (Etiópia)

A poluição do ar interno e externo é um importante risco à saúde global que contribui para doenças respiratórias e cardiovasculares. O principal poluente de preocupação para a saúde humana são as partículas finas. Uma fonte importante de poluição do ar é o uso de energia para cozinhar e aquecer dentro de casa e para transporte e outras atividades, todos contribuindo significativamente para a poluição do ar tanto interna quanto externamente em áreas urbanas de baixa renda. Assim, a poluição do ar proveniente do setor de energia está se tornando um fator de risco para a saúde na África e são necessárias soluções para reverter esse desafio. Estima-se que a poluição do ar doméstico decorrente da falta de provisão de serviços modernos de energia cause cerca de meio milhão de mortes prematuras na África Subsaariana anualmente.

Este projeto visa abordar os riscos à saúde humana resultantes da exposição à poluição do ar interno e externo por fontes de energia. O projeto, que será implementado em áreas peri-urbanas de baixa renda em Nairóbi e Adis Abeba, tem três objetivos: (1) usar a abordagem da ciência cidadã para avaliar o nível e a magnitude da poluição do ar em uma comunidade em Adis Abeba e para monitorar a poluição do ar em uma comunidade em Nairóbi; (2) co-criar com as comunidades afetadas soluções para mudanças de comportamento e políticas para enfrentar os desafios de saúde da poluição do ar interno, especialmente para mulheres e crianças; e (3) promover a conscientização sobre políticas e ações sobre a relação entre saúde e bem-estar humanos, poluição do ar e energia em áreas urbanas.

Investigador principal: Philip Osano, Instituto do Meio Ambiente de Estocolmo, Quênia

Países envolvidos no projeto: Quênia, Etiópia.

Compartilhar

Ir para o conteúdo